Tucano: o sumiço dos santos

“[…] a santa saiu do andor, deu um passo adiante, ajeitou as pregas do manto e se mandou”. (J. Amado, O Sumiço da Santa)

Senhora Sant’Ana pondo sua Santa Menina no chão ajeitou manto e véu, jogou o livro para o alto e, erguendo o braço direito, gritou do alto de seu altar “Chega! Cansei! Vocês que se virem! Vou descansar!”. Nada mais justo! Há um ano, Ana, a honorável padroeira de Tucano, pediu férias e se retirou com sua filha de colo dos limites da paróquia que chefia desde o século XVIII. A matriarca católica por mais de 260 anos comanda os ditames divinos do lugar sem nunca ter parado para qualquer descanso merecido. Cansada da mesmice municipal, das chanchadas políticas clichês da cidade e um tanto assustada com certos levantes violentos que atormentam Tucano, Ana partiu de malas e cuia. Antes de ir, encomendou o “restauro” de seu altar carcomido pelos anos e pelo mau zelo de sucessivos padres e fiéis. Sendo uma Senhora generosa, a santa padroeira levou consigo além de seu bebê, o Santo Antônio de Pádua (antigo padroeiro de Tucano), a Nossa Senhora do Rosário, o São José e o Cristo Crucificado, todos residentes e domiciliados na matriz há séculos.

As merecidas férias divinas duraram quase um ano. Viajaram para Alagoinhas, onde Santo Antônio é orago e, portanto, teriam hospedagem garantida e confortável. Lá, os cinco santos além de passearem à la vonté pela cidade, aproveitando a brisa marinha vinda do recôncavo, trataram de procurar alguém que lhes retocasse as cores escurecidas pela fuligem das velas e as lascas arrancadas pelos cupins e quedas de andor. Procuraram e encontraram. Por lá, deixaram-se demorar enquanto Tucano jazia em desproteção patronal. Mas Sant’Ana sabia que se podia tardar, afinal o “restauro” feito em seu trono/altar iria demorar e a matriz não estava de toda desprotegida, pois deixara alguns outros santos mais novos regendo as demandas dos fiéis do município. Boa padroeira que é, Ela sempre esteve atenta mesmo que de longe, foram sucessivos os telefonemas, cartas e e-mails para a Nossa Senhora das Graças e para o Sagrado Coração de Jesus para saber como andavam as coisas na sua ausência, mas a resposta era sempre a mesma “Se acalme, minha senhora, pior do que está não fica!”. E assim, Sant’Ana e sua corte prolongaram sua estada na cidade de Alagoinhas.

2Mas houve o dia do retorno. Com o altar pronto, a padroeira foi comunicada que deveria voltar para assumir seu trono sobre os mortais tucanenses. E Ela que já estava acostumada ao clima da cidade estrangeira e com a boa vida de turista, relutou em ir, mas cedeu ao chamado “Se é para o bem de todos e a felicidade geral da nação, diga ao povo que eu vou!”. Chamou os santos que a acompanharam e disse que era preciso arribar. Mas o Santo Antônio e a Nossa Senhora do Rosário não ficaram satisfeitos com a ideia de regresso e fizeram coro, disseram para Ela “Para lá, não voltamos! Ponham alguém no nosso lugar!” e não voltaram.

No dia 27 de abril deste ano, Sant’Ana e sua comitiva foram reempossados no altar-mor da igreja matriz de Tucano. A imagem que data do final do século XVIII, encomendada pelo próprio Frei Apolônio de Todi (restaurador da matriz e construtor das capelas de Monte Santo), chegou com feições mais vivas, sombra nos olhos, lábios encarnados, coroa e resplendor novos. O São José também ganhou maquiagem nova, tintura nas vestes e seus lírios de prata foram emendados e lustrados, porém deixou de ostentar seu antigo e belo resplendor que exibia uma valiosa opala. O Cristo Crucificado teve os braços emendados e 3ganhou adornos na cruz e resplendores prateados. Mas a Nossa Senhora do Rosário e o Santo Antônio não são os mesmos! As duas imagens seculares em estilo barroco cederam lugar para duas outras mais novas e pobres em profundidade estilística. Nossa Senhora do Rosário está menos imponente, seu Menino Deus não tem a mesma graça e a leveza do antigo, suas vestes não são mais esvoaçantes, ganhou uma estranha estola central no vestido  e os anjos de seus pés não têm a mesma cara rechonchuda de outrora e estão mais distantes. Santo Antônio que provavelmente foi padroeiro de Tucano até o início do século XX não tem o mesmo porte majestoso e sério, ganhou uma leve curvatura para a direita, está menor em estatura, sua mão esquerda que segurava um livro por cima passou a segurá-lo pelo lado e a imagem perdeu todos os detalhes finos em que foi esculpida como dedos, orelhas e nariz perfeitos.
Ou seja, não são as mesmas obras de arte sacra! E não é preciso ser um perito para constatar o “jogo dos sete erros”, as mudanças são crassas, perceptíveis por qualquer leigo em arte e fáceis de identificar por meio de uma simples comparação fotográfica. Das duas possibilidades ocorridas, uma deve ter havido: ou os santos foram substituídos ou as imagens foram entalhadas/mutiladas de forma absurda – possibilidade da qual duvido muito, uma vez que as esculturas de Sant’Ana e de São José voltaram inteiras.

O altar-mor foi “restaurado” conforme os mais velhos fiéis descreveram o original e com base em algumas fotografias antigas, mas mesmo assim não é uma cópia fiel e louvável do velho altar modificado na década de 1960 pelo Pe. José Gumercindo quando reformou a matriz de maneira um tanto desastrosa e em uma tentativa de modernizar o templo. O altar ganhou o coroamento do retábulo (parte superior da obra) que já não existia, dois nichos laterais que foram retirados na última reforma, uma tonalidade rósea nas colunas e em alguns frisos, pintura branca e envernizada nas paredes basilares, novas folhagens entalhadas e pintadas de dourado e um fundo de madeira que aparece como um forro estranho nas costas de Sant’Ana. Deste modo, deixou de ter a impressão de ser uma obra barroca e portuguesa bastante maltratada e passou a ser um exemplar afetado do estilo Rococó.

4Além do “aparente” sumiço das duas imagens sacras que fazem parte do deteriorado patrimônio histórico e artístico de Tucano, o que é um fenômeno lamentável e vergonhoso para a cidade, a “restauração” do altar-mor nada mais é do que uma boa intenção mal empreendida. É preciso mais bom senso quando se trata do acervo artístico de um lugar tão mal preservado culturalmente como Tucano, é preciso mais do que boa intenção.

Mas as perguntas ainda giram: onde se escondeu a sumida Senhora do Rosário? Por onde andará o fujão Santo Antônio? Mais do que a ausência de dois exemplares da arte sacra do município, Tucano sentirá o crescimento do número de solteironas em seu território!

Nossa Senhora e Santo Antônio, mesmo que de longe, roguem por nós!

 Astério Moreira
Um Tucanense, um Escrevinhador, um Estudante e um “Borista”.

Fonte: Portal Tucano

About the Author

Deixe seu comentário para essa notícia

portalsisal